Família de Nazaré: No reino do mais puro relativismo

No reino do mais puro relativismo

Neste dia 30 de agosto, a Folha On Line publica artigo do filósofo Hélio Schwartsman com o título Lei e preconceito. Gostaria de fazer uma apreciação crítica a respeito do artigo.

Leia Mais...

O trecho que eu gostaria de destacar é o seguinte:


O que dois ou mais adultos fazem consensualmente entre quatro paredes em matéria de sexo é assunto que diz respeito apenas a eles. Desde que em comum acordo e sem envolver menores, não há nada de intrinsecamente errado com homossexualismo, masoquismo, sadismo, voyeurismo, fetichismo, coprofilia, zoofilia (se o animal em questão não se opuser) e nem mesmo com a vida monástica escolhida por alguns. Se há algum comportamento reprovável do ponto de vista da boa convivência democrática, ele está, não no homossexualismo ou naquilo que a psiquiatria designa como parafilias, mas no desejo incontido de tentar controlar a sexualidade alheia.

E, se é justo que casais heterossexuais possam herdar os bens um do outro, estabelecer vínculos previdenciários e adotar crianças, não há nenhuma razão para deixar de estender esses mesmos direitos a pares do mesmo sexo. Um cidadão é um cidadão independentemente do lado pelo qual prefira copular.


Trata-se de uma postura liberal radical por parte do autor, que vai na linha da forte presença atual do relativismo ético, para o qual a moralidade de qualquer comportamento deve ficar confiada à liberdade individual de cada um, conforme a sua consciência.

Ao ler o texto, não pude deixar de me lembrar do caso do "Canibal alemão" em 2003. Vocês podem ver uma matéria a respeito clicando aqui, mas apenas para lembrar:

Armin Meiwes e Bernd-Jurgen Brandes (dois homens), realizaram uma fantasia sexual: Meiwes cortou o pênis de seu amante, flambou o membro e os dois comeram juntos. Por causa da hemorragia, Brandes morreu, foi dissecado e comido por Meiwes, e tudo isso com pleno acordo de vontade entre ambos. Em sua defesa, Meiwes alegou justamente que tudo tinha sido feito em plena liberdade, o que lembra justamente o pensamento do filósofo da Folha On Line quando afirma que não há nada de intrinsecamente errado em matéria de sexo quando feito consensualmente entre quatro paredes.

Diga-se de passagem que a defesa de Meiwes foi bem sucedida: o Ministério Público alemão pediu prisão perpétua, a defesa pediu a desqualificação para "homicídio a pedido", tipo cuja pena é de 5 anos. O acusado foi condenado a 8,5 anos, sendo que em 5 anos já poderia estar em liberdade (ou seja, no ano que vem). Veja essa outra notícia a respeito.

Hélio Schwartsman estaria correto ao afirmar que não existe nada de intrinsecamente errado em qualquer tipo de comportamento sexual, incluindo coprofilia e zoofilia? Apenas para esclarecer: coprofilia é a excitação sexual pelo contato com as fezes do parceiro, incluindo aí a coprofagia (ingestão); zoofilia é a prática de sexo com animais.

A maioria das pessoas, creio eu, diria que tais comportamentos são em si mesmos desordenados, portanto intrinsecamente errados. Mas se perguntássemos quais seriam os critérios objetivos para avaliar se um comportamento é ou não errado do ponto de vista moral, nossa mentalidade relativista teria muita dificuldade para responder.

Por trás de tudo isso, penso haver uma perda do sentido do homem. Quem é o homem? Quem sou eu? Qual o sentido da minha existência? São perguntas-chave para termos critérios objetivos para lidar com tais questionamentos. Acredito, pois, que devemos procurar uma antropologia ontologicamente fundada para termos motivos reais, objetivos, racionais, para avaliar a moralidade dos atos humanos.

7 comentários:

  1. O retorno aos artigos originais se dá com um excelente. O relativismo permeia nossa sociedade, fazendo-nos esquecer da objetividade da realidade e de nosso propósito.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, meu caro, vamos tentando!

    ResponderExcluir
  3. Perfeita sua reflexão, Danilo. De fato, o tudo poder nos leva a esta loucura existencial. Nos comemos para nos livrar de nós mesmos, angústia existencial gerada pelo vazio de uma vida sem significado.

    ResponderExcluir
  4. Roberto Wagner Lima Nogueira11:27 AM, setembro 03, 2007

    O anônimo sou eu... risos... Roberto Wagner. Abção, Danilo.

    ResponderExcluir
  5. que Deus nosso snehor nao permita, mas é com esses argumentos filosoficos que eles pretendem um dia legalizar a pedofilia.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Danilo,
    Paz e Bem!
    Chamo-me Giselle Maia, sou consagrada em uma Comunidade Católica chamada Comunidade Família de Nazaré, Nossa Comunidade foi fundada em Cuiabá e atualmente tem sua principal atuação em Belém e cidades do Pará.
    Seu Blog está muito bom e com conteúdo consistente, entretanto entendi que você está reunido com um grupo de casais que têm por objetivo formar uma Comunidade de vida e amor ( o que é uma iniciativa belíssima), mas "Comunidade Família de Nazaré" já existe há 6 anos, e ficamos preocupados com a possível existência de duas comunidades com nomes idênticos, pois em breve estaremos atuando em outros estados do Brasil.
    Gostaria que você mantivesse contato conosco.
    Nosso site é www.familiadenazare.com.br e nosso e-mail comunidade@familiadenazare.com.br, o meu e-mail é planejamento@familiadenazare.com.br
    Por favor entre em contato conosco.
    Um grande abraço
    Parabéns pela iniciativa.
    Atenciosamente

    ResponderExcluir
  7. Com todo respeito devido àqueles
    de opinião contrária, o artigo citado manifesta uma opinião coerente , até citar a zoofilia,
    (o que eu acredito tenha sido apenas ilustrativo já que animais nõ manifestam opiniões). Não vejo qualquer relação com pedofilia ou o exemplo citado sobre o canibal alemão que são debater de carater jurídico.
    Vale lembrar que o conceito de moral pode ser elástico mesmo entre pessoas de bem, e tem que ser
    separado do conceito de "moral religiosa".
    Do contrário vocês estariam forçando aos outros a sua Doutrina.

    Atenciosamente:
    Luciano Ferggari

    ResponderExcluir

O que você acha dessa postagem?

Copyright © Família de Nazaré Urang-kurai